domingo, 27 de novembro de 2016

Mãe de três!

Muita coisa mudou em minha vida. Nesses últimos tempos eu havia perdido o ânimo em escrever no meu blog. Eu também passei a crer e a estudar a Torah,então,naturalmente,tive que me descontaminar progressivamente de tudo aquilo que eu tinha sido até então. Dá para perceber que mudei até mesmo,o nome do blog,em busca de assumir uma nova postura e me desvincular do que eu cultivava,algo que hoje,entra em conflito com a minha fé e o meu entendimento. Nesse meio tempo também,finalmente após sucessivas perdas,consegui engravidar e dar à luz a um pequeno,mais um menino! Ele completou 1 aninho neste mês de novembro,sou muito orgulhosa desse verdadeiro milagre na minha vida! Não tenho palavras para descrever o que eu sinto ao ver os dois irmãos,rindo,brincando,comendo e dormindo juntos. Tão parecidos! Só faltava a convivência do meu mais velho,que de certa forma,tenho que me conformar que é inviável por uma série de motivos e principalmente pela incompatibilidade de "sistemas" familiares,lembrando que ele mora com os meus pais. Então,hoje,aos 33 anos,sou uma mulher realizada em parte. Tenho três filhos homens: Marçal,que vai fazer 15 anos em março,Zelf que completou 7 anos neste mês de novembro e Zefir,de 1 aninho.Sou muito feliz por ter alcançado esta família,o Criador sabe o quanto eu sou grata por isso,filhos são uma benção! O meu desejo é continuar honrando o meu marido com mais filhos,eu o amo e amo saber que podemos ter filhos.


Meu útero não é seco,muito pelo contrário,basta a semente ali se depositar que imediatamente,brota. O problema é a falta de sintonia entre nós. Crise dos 7 anos? Queria poder dizer em um futuro próximo: "Nós superamos a crise,estamos melhores do que jamais fomos um dia,Amém!" Quem sabe o Criador não concede essa minha kavanah? Sou mulher de parir homens. Obviamente,eu quero que eles sejam bons homens,obedientes à Torah,e que sejam homens que sejam capazes de amar às suas esposas de forma equilibrada,sem cair num dos extremos,ou com veneração ( idolatria com cunho sexual) ou com alienação ( distanciamento,gaslighting,mecanização,etc). Óbvio que desejo essa dádiva de meus filhos,porém quero que se casem com mulheres que tenham a mesma visão perante a Torah.É difícil,sabe-se lá por qual motivo,eu engravidar de uma menina. Estudos dizem que meninas vem em épocas em que a mulher está estressada,então é quase impossível eu ter uma filha,pois sempre que me estresso,se estiver grávida,eu perco. Porém, eu penso, e se eu tivesse uma filha? Eu a instruiria perante a Torah,exercitaria finalmente o meu feminino voltado para os mandamentos do Criador. E principalmente,não desejo para essa minha filha hipotética,que passe por certas situações. Desejo que ela seja uma ótima esposa para o seu marido,que lhe dê bastante filhos,que possam ter uma bela vida,uma bela família. Certo que esse homem terá que ser um homem como eu desejo que os meus filhos sejam! E o padrão que uso como referência,é o casal Rivka e Itzak ( Rebeca e Isac). Pode parecer mais do mesmo,não me importo. Mas é esse modelo harmonioso de casal que eu quero para a minha descendência. Não se pode acusar romanos pela monogamia desses casal,eles simplesmente tem sintonia,e esta sintonia é a Torah. Ambos se fazem bem,mutuamente. O próprio nome deles,diz muito. Itzak significa,"Ele ri" e Rivka significa "Laço". Além de demonstrar algo fisico,que tenha ocorrido,entendedores entenderão,os nomes dizem muito sobre suas personalidades. Itzak com certeza tinha muitas qualidades,e a principal era a empatia,afinal,sua esposa chegou a ter dificuldades para engravidar,ele poderia muito bem ter arrumado mais esposas,mas por empatia,e por lembrar-se talvez do que ocorreu com sua mãe,Sarah,ele preferiu ter apenas a sua esposa. Rivka com sua extrema obediência e devoção,conseguia prendê-lo de tal forma que não haviam brechas para que outras decisões pudessem ser tomadas,mesmo quando ela poderia ser naturalmente desfavorecida. E essa monogamia deles em nada os impediu de serem patriarca e matriarca de uma numerosa descendência. E era até aqui que eu queria chegar. Sou abençoada por ser mãe de três. Mas a minha kavanah tem o alcance maior. Quero ser matriarca de uma descendência que não possa ser contada,quero ser mãe de milhares! Por hoje é isso,prometo aparecer mais por aqui! Beijocas!
Postar um comentário